sexta-feira, setembro 19, 2014

ESCAVAÇÕES NO CAMPO DE EXTERMÍNIO DE SOBIBOR REVELAM CÂMARAS DE GÁS OCULTADAS PELOS NAZIS

Arqueólogos na Polónia oriental alegam ter descoberto novas evidências relacionadas com as maldades e história criminosa do regime nazi.
Escondidas debaixo do solo de um ex-campo de concentração nazi nos arredores de Sobibor foram encontradas pelos arqueólogos câmaras de gás que foram intencionalmente ocultadas pelos nazis após uma insurreição ali ocorrida em 1943. Calcula-se que pelo menos 250.000 judeus tenham sido assassinados naquelas câmaras de gás.
Após uma insurreição ocorrida no campo, no dia 14 de Outubro de 1943, as forças alemãs terão demolido as instalações das câmaras de gás. O sítio onde ocorreu o massacre dos judeus foi posteriormente coberto com uma estrada de asfalto.
Yoram Haimi, um dos arqueólogos do projecto, revelou à Reuters "terem ficado espantados com o tamanho do edifício e as condições de boa preservação das paredes das câmaras."
ANEL ENCONTRADO NA CÃMARA DE GÁS
Está agora a ser feito um esforço para se calcular o tamanho das câmaras de gás, o que permitirá ter uma melhor idéia sobre o número de pessoas assassinadas no campo.
Haimi tem também uma ligação pessoal à descoberta macabra. Dois dos seus tios foram capturados pelos alemães e mais tarde assassinados no campo de morte de Sobibor. 
O Instituto Internacional de Pesquisas do Holocausto do Yad Vashem (Museu do Holocausto) prestou algumas informações acerca deste campo de morte no leste da Polónia:
"O Campo de Extermínio Sobibor estava localizado perto da aldeia e estação de caminhos de ferro de Sobibor, na parte de leste do distrito de Lublin, na Polónia, não muito longe da linha férrea Chelm-Wlodawa. O campo foi estabelecido em paralelo com os campos de extermínio de Treblinka e de Belzec. 
Construído em Março de 1942, era constituído basicamente por 3 partes, cada uma individualmente isolada da outra. O campo incluía uma área administrativa, uma área de recepção, e uma área de extermínio. Para além disso, havia um espaço na floresta, na parte Norte do campo, onde os nazis tinham começado a construção de um bunker. Durante o período de operação do campo - Abril de 1942 a Outubro de 1943 - cerca de 250.000 judeus foram ali assassinados. No auge da insurreição ali ocorrida em 14 de Outubro de 1943, os alemães decidiram desmantelar o campo. Aparte de certas estruturas que têm sido desmanteladas desde a guerra e os poucos edifícios ainda de pé e que tinham alguma ligação ao campo, o local tem-se mantido deserto, sem quaisquer traços do antigo campo de extermínio."


Outro arqueólogo envolvido com as escavações do campo e descoberta das câmaras de gás, revelou o seguinte:
"O extermínio das pessoas teve lugar aqui neste local. O assassínio era feito através do fumo produzido por um motor, e que matava qualquer pessoa num período de 15 minutos nestas câmaras de gás, em grande tormento, e aos gritos...Diz-se que os alemães até criavam aqui gansos de forma a abafar esses gritos humanos, para que os prisioneiros não pudessem escutar esses gritos, esses tormentos."
FILME "FUGA DE SOBIBOR"
Pouquíssimos prisioneiros conseguiram escapar vivos de Sobibor. Devido a este facto trágico e devido aos alemães terem destruído o campo há ainda muito por conhecer acerca deste campo infame.
Dos cerca de 300 prisioneiros que conseguiram escapar durante a insurreição de 1943, a maior parte foram apanhados e mortos. Segundo a Reuters, apenas 50 prisioneiros conseguiram sair vivos do campo após o fim da 2ª Guerra Mundial. 

Shalom, Israel!

2 comentários:

Anónimo disse...

Lembro e ter ouvido comentários de minha irmã 5 anos mais velha que eu sobre esse filme, não sei se terei coragem de assisti-lo algum dia.
O conhecimento do horror nazista parece não ter fim.

Fabiana

Cesar Augusto Cabral Arevalo Iehouah disse...

Absurdo. Imagine que atuais palestinos foram treinados e orientados por estes oficiais nazistaz e pessoas que se dizem do bem oa defendem e lhes pedem um Estado de terroristas implantado dentro de um estados de democratas teocratas (Israel). Apoiar o mundo islâmico e os antissionistas é pregar ódio contra a vida humana.